Modelo de IA pode detetar Parkinson a partir de padrões respiratórios.

A ferramenta em questão é uma rede neural, uma série de algoritmos conectados que imitam o funcionamento do cérebro humano, capazes de avaliar se alguém tem Parkinson a partir da sua respiração noturna – ou seja, padrões respiratórios que ocorrem durante o sono.

Ao longo dos anos, os pesquisadores investigaram o potencial de deteção de Parkinson usando líquido cefalorraquidiano e neuroimagem, mas esses métodos são invasivos, caros e exigem acesso a centros médicos especializados, tornando-os inadequados para testes frequentes que possam fornecer diagnóstico precoce ou rastreamento contínuo de progressão da doença.

Os pesquisadores demonstraram que a avaliação de Parkinson, via inteligência artificial, pode ser feita todas as noites em casa enquanto a pessoa dorme e sem tocar no corpo.

Este estudo é provavelmente um dos maiores estudos de sono já realizados no Parkinson.